[Meu Amigo Kindle] Resenha x Entrevista: Meu Vício - Kell Teixeira!!!

Olá, Gente linda.

Hoje temos Resenha X Entrevista: 
Meu Vício - Kell Teixeira!!!

Eu sou a Ingrid, ColaborAutora fofa do Clube do Livro ❤



Meu Vício





Sinopse


Elena Tyner é uma garota comum de dezenove anos que cursa psicologia. Devido a uma criação tradicional, assim como a sociedade em sua maioria, ela possui preceitos e preconceitos contra usuários de drogas, passando até ter repúdio pelos mesmos. Mas tudo muda quando ela faz uma entrevista com um usuário, se envolve e passa a ver o outro lado da história. 
Nesse drama é relatado de forma clara e espontânea a amarga experiência que é conviver, amar, e presenciar uma pessoa entregar sua vida para as drogas... Um caminho obscuro e muitas vezes sem volta... 
Falar sobre dependência química é muito forte, muito atual e de suma importância. Mostrar todo sofrimento do dependente e de todos ao redor de forma tão realista e interessante, faz com que a gente vivencie o sofrimento junto com Maycon e Elena. E sinta o amor surgindo no meio das trevas, da dúvida. Um amor puro e sincero, porém não aceito. 



Compre o seu na Amazon



Kell Teixeira



Biografia

Kell Teixeira, 27 anos, nascida em Juatuba/MG. Sempre foi uma contadora de histórias, a paixão por livros expandiu-se com os anos, passando a fazê-la não apenas contentar-se em ler, ela desejou e passou a escrever suas próprias histórias. Assim surgiu o primeiro romance, com temas fortes e atuais. Nunca se afeiçoou a romances estilo contos de fadas, fato esse, que está expresso em seu primeiro romance, onde podemos ver problemas reais explícitos de forma direta. Acredita piamente que a leitura, além de educar, pode quebrar preconceitos e transformar o mundo. Afinal, a ignorância é a maior arma do preconceito...

Contato



Resenha 


“Ela o ama, e ele... Bom, ele ama a cocaína.”

Elena Tyner é uma garota comum, a típica nerd “perfeitinha” que segue a risca todas as leis e regras, detesta ser o centro das atenções, preferindo se manter invisível. Filha mais velha de policiais se mantém na linha, estuda psicologia e não vê a hora de começar a atuar na área. Seu colega de quarto e melhor amigo, Keven, que no fundo sempre teve uma queda por ela, é o único aprovado por seus pais a estar tão próximo a ela.

“O amor é o sentimento mais forte que te une a alguém. Suas correntes invisíveis penetram a alma, mas arrancam o coração.”

Maycon Sebastian é completamente o oposto, um cara sem noção que não liga para leis e quebra as regras na cara dura, visto praticamente como um super star venerado por todo o colégio. Filho único mimado, estudante de medicina, viciado em cocaína, má influência. As garotas se jogam aos seus pés.

“Não sei por que, mas elas amam esse tipo de cara: lindo, corpo bonito, um tanto atraente e um verdadeiro perigo. É como se sobre ele estivesse uma placa enorme escrita: Estrada sem saída. Se der mais um passo, estará sujeito ao vício.”

Elena nunca usou drogas, não bebe ou fuma e repudia quem o faz. Orgulha-se de sua boa índole e notas exemplares. Mas um trabalho solicitado por seu professor pode colocá-la em um caminho complicado, precisando fazer uma entrevista com um viciado.

“Não me restaram muitas alternativas. Foi aí que tive a brilhante ideia de tentar conseguir uma entrevista com Maycon. Mas, assim como sua turma de viciadinhos, ele é “filhinho de papai”. Na verdade, ele é “o” filho do papai, porque seu pai é dono de uma das maiores empresas da cidade.”

Quando se dá conta, Elena já está envolvida com o cara errado, num relacionamento altamente destrutivo, que acaba atingindo de forma negativa sua vida. Mas mantendo-se cega demais para admitir a verdade para si mesma e concordar com o falatório dos outros.

“—Vou assistir de camarote até ver os seus sonhos se tornarem pesadelos. Vou assistir a cada segundo até esse romance virar uma tragédia.
— Onde você quer chegar?
— Você é uma garota bonita, doce. Não está pronta para um cara tipo o Maycon. E nunca estará.”

Jayde, ou apenas Jay, é a única amiga de Maycon, eles moram juntos, desde que ela fez quinze anos de idade e ele dezessete. Mas não tem um relacionamento amoroso, ela preferi mulheres e é durona demais. Viciada em maconha e em misturas muito loucas, Jay se mantém sempre ao lado dele, sincera, aconteça o que acontecer, para ela Maycon não precisa mudar quem é. Logo, detesta Elena, pelo que ela provoca nele, essa necessidade de mudar. 

Uma história baseada em fatos reais, intensa e cheia de reviravoltas, com momentos tensos, que causam aflição e até medo. Tem enfoque na ignorância da sociedade que gera o preconceito, no quanto as pessoas julgam as outras sem conhecê-las. A autora é detalhista e apesar do quão pesado é esse mundo das drogas, ela soube passar ao leitor cada momento decadente de um usuário de forma que prendesse do início ao fim, instigando e provocando reflexões sobre o valor da vida, nossas escolhas e as consequências que as acompanham.

Os personagens são muito bem desenvolvidos, com suas peculiaridades e mundos distintos. Sendo a Elena inocente e influenciável, apaixonando-se facilmente. Senti amor e ódio pelo Maycon, falava mal dele em voz alta como uma louca, achei o Keven um fofo, confesso que se tornou meu favorito, já a Jay é uma sem noção.

Acredito que todos deveriam ler, aprendi muito com essa experiência, pois foi muito além de apenas uma história, como se eu estivesse no lugar de cada um dos personagens, vivendo suas vidas e lidando com seus problemas.

Dou cinco estrelas, favorito e recomendo!


Entrevista



1. Como surgiu o desejo de escrever e como foi entrar nesse meio literário?

Kell Teixeira: Minha mãe sempre me incentivou a ler, isso era quase que obrigatório em nossa casa. Com o tempo, não me contentei apenas em ler, dando assim início a escrita, com isso surgiram os primeiros contos. Aos dezessete escrevi meu primeiro romance. Incentivada por amigos, passei a postar em plataformas online, apenas como hobby. No entanto, como tive experiência nesse mundo autodestrutivo das drogas, e percebendo a visão distorcida e preconceituosa entre sociedade e dependentes químicos, resolvi expor minha experiência mesclada à ficção. Assim surgiu o romance Meu vício, um livro que relata a vida de um usuário de cocaína.

2. Você me disse que Meu Vício é baseado em uma história real, como foi transformar essa vivência em um livro?

Kell Teixeira: Há relatos reais, e esses foram complexos de escrever, foi necessário parar, respirar, analisar até onde eu estava disposta a ir e revelar. Em outros eu realmente chorei muito, porque tem muitas lembranças, e nem todas são boas. Em determinado momento eu realmente quis desistir, me lembrei de pessoas que perdi e que tenho medo de perder. Chegou ao ponto de colocar um fim. Mas um grande amigo que sempre lia, me disse que a história não era mais apenas minha, que eu não tinha mais o direito de guardá-la. Ela estava ali e precisava ser passada adiante. No fim, tive consciência que ela realmente precisa sair, precisava ser contada e espero que ao lerem possam captar a mensagem que o livro transmite. O melhor é o que uma das pessoas que já se foi e me inspirou a escrever o personagem, me disse há dez anos. Nós estávamos em uma praça, estava chovendo, na verdade havíamos sido expulsos da sala de aula porque, apesar de amigos, brigávamos como cão e gato. E devido a uma briga boba, ambos foram “dispensados”. Na metade do caminho já estávamos rindo feito bobos, ele era um cara bem inteligente e eu gostava das ideias federais dele, nos sentamos no banco da praça, apesar da chuva fina, ele acendeu um cigarro, e olhando pra ele eu disse que um dia escreveria sobre a vida dele. Sua resposta, depois de uma longa risada, foi: — Caí na real, quem quer ler sobre a vida de um viciado? E hoje, quando as pessoas me dizem como gostaram e se viciaram no livro, meu primeiro pensamento sempre é esse. Não é que tem quem queria ler sobre a vida de um viciado. Acho que isso é o que mais me motiva, saber que valeu a pena.

3. Qual foi a parte mais difícil e a mais fácil de escrever?

Kell Teixeira: A mais difícil foi incorporar Maycon, porque há relatos de uso de drogas, de abstinência e fissura, era necessário ser fiel a realidade sem ser chocante. Mas como não ser chocante quando o assunto é drogas? Eu escrevia, apagava, reescrevia até chegar o ponto de não suportar mais... Fiz a última mudança e finalizei. Já a mais fácil foi... Bom, acho que o início, Elena e Keven, esse desenvolvimento da amizade...

4. Qual o trecho mais marcante pra você?

Kell Teixeira: — Um dia, ouvi dizer que a morte separa apenas os corpos, mas não pode separar as almas quando o amor é verdadeiro. Ele costuma ir além da vida. Quando isso acontecer, você sempre terá a melhor parte de mim. Porque eu sei que amo você e de alguma forma sinto que me ama também. Não gaste seu tempo esperando por uma mudança que nunca vai acontecer, Elena. Isso é ilusão.

5. Qual personagem possui mais características suas?

Kell Teixeira: Nossa! Não posso revelar, vai por mim, não é o mais querido! Mas tudo bem, evoluímos e mudamos muito a mente! No entanto acho melhor guardar segredo quanto a isso.

6. Você costuma ouvir música enquanto escreve? Se sim, quais fazem parte da sua playlist?

Kell Teixeira: A lista é enorme, rock, pop rock e aquele 1% de reggae. São os únicos gêneros que escuto. Em particular, amo Raul Seixas...

7. Algum autor (a) influência em sua escrita? Qual?

Kell Teixeira: Na verdade eu iniciei lendo a coleção vaga-lume. Mas gosto de Machado de Assis, O Alienista e Elena estão entre os meus favoritos. Contudo livros geralmente me ganham pela sinopse, não pelo autor.

8. Além de escrever o que mais você faz? 

Kell Teixeira: Adoraria dizer que pratico esportes, e levo uma vida bem saudável, mas é mentira. Detesto mesmo! Eu jogo videogame, (mato zumbis na verdade). Vejo séries de zumbis (amo zumbis, percebe-se), filmes de terror e leio. Também sou mãe e esposa. Gosto da solidão, amo estar sozinha, eu preciso disso, desse tempo para deixar os pensamentos fluírem...

9. Tem projetos em andamento? Quais?

 Kell Teixeira: Escrevi a sequência já concluída sobre a vida pós-dependência, disponível no Wattpad. E agora estou em um projeto com uma amiga.

10. Deixe uma mensagem para seus leitores e cite uma frase que leva para sua vida!

Kell Teixeira: Essa é a parte que fico sem jeito porque nunca tenho uma mensagem pronta, geralmente eu olho diretamente para a pessoa e deixo a conversa fluir, mas tenho uma frase bem bacana... Acho que conta, né?! "Você é livre para fazer suas escolhas, mas é prisioneiro das consequências."

Obrigada pela oportunidade!







Ingrid M. SNascida em 03 de outubro de 1993, é formada em Design de Moda, mora com o marido em uma cidade pequena e muito pacata no interior de Santa Catarina. Ama escrever desde criança, mas somente em 2014, resolveu publicar algo através do Wattpad.


É sonhadora, criativa, detalhista e muito teimosa, uma viciada em livros e chocolate, simplesmente apaixonada por dias frios e chuvosos. Gosta muito de desenhar, assistir comédias românticas e seriados. 



“Um Personagem em minha Vida” foi o seu primeiro romance pertencente a uma trilogia.

CONTATO: SITE  - FACEBOOK -  GRUPO NO FACEBOOK - SKOOB - WATTPAD  - AMAZON

Gostou dessa postagem??? Quer mais??? Que tal me enviar dicas superlegais sobre seus autores (a) favoritos, livros, séries, filmes, músicas, livros, entre outros assuntos? Deixem suas sugestões nos comentários...

Beijinhos Ingrid

15 comentários:

  1. Obrigada linda, amei a resenha! Emocionada por suas palavras! :)

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela resenha e a entrevista, fiquei mais louca para ler o livro!! Socorro!!
    Kell que nosso cantinho seja como uma casa pra ti.
    Beijos linda e Ingrid Arrasou!

    Giuliana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Giu, já estou me sentindo em casa! Obrigada mais uma vez Ingrid! ;)

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  3. Adorei a resenha e a entrevista. Sempre soube que esse livro maravilhoso iria longe, pois é impossível ler essa história e não sentir a emoção de cada personagem. Sou fã do livro e fã da autora. Kell é uma das autoras brasileiras que admiro,além de sempre escrever livros viciantes rs. Fico feliz em ver que hoje as autoras brasileiras estão ganhando cada vez espaço nas bibliotecas particulares de nós brasileiros, assim comprovam que possuem a mesma capacidade como as autoras estrangeiras de irem longe também!

    Estou cada vez mais apaixonada por romances de autoras brasileiras, e apoio todas as páginas que apoiam esses romances.

    ResponderExcluir
  4. Livro foda escritora foda e um personagem fdp sendo amigo de uma deusa e tendo o amor de uma humana historia otima team jay aquela q conhecia o maldito maycon alem do q deixa a mostra para todos e digo q ela o conhecia mais q ele mesmo

    ResponderExcluir
  5. Essa história é divina, maravilhosa. A resenha e a entrevista, perfeitas!!!

    ResponderExcluir
  6. Sou fã da Kell! Amei cada palavra, principalmente os momentos de reflexão do Maycon. Sou apaixonada por ele e sua história de vida!

    Ps: Não é querendo ser do contra mais acho a Jay uma personagem fascinante apesar da amizade destrutiva entre eles.

    Parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  7. Li esse livro com o coração na mão, principalmente por passar por algo do tipo, gostei muito da resenha, mas acho que se limitou a falar do Maycon, que representa a realidade de muitos usuários, a autora no livro demostrou como é árdua a convivência com um usuário, e como a droga modifica o comportamento da pessoa. Pra mim que me vi representada na história, é bem mais que um livro, é uma lição de vida...

    ResponderExcluir
  8. Acho tão digno quando um autor se dispõe a falar de um assunto, que apesar de ignorado, está entre os três maiores problemas mundiais, e esse em questão é responsável diretamente pela morte da juventude. Quando eu o li, que faz um mês, me foquei mais na mensagem transmitida do que no romance em si. Eu amei a resenha, mas a história vai bem mais do que um romance. Maycon com certeza é um viciado de merda que marca a literatura e vai marca a vida de quem lê. Amei o realismo, espero mesmo que mais pessoas possam ler e deixar o preconceito de lado, parabéns a autora! Parabéns a resenhista. E ao blog por incentivar literatura desde patamar, que ao meu ver está em falta no mercado. Sucesso e vou seguir vocês!

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Ainda bem, q seu amigo te convenceu a publicar essa joia para os amantes de histórias verídicas como eu! parabéns pelo seu talento e muito obrigada por me proporcionar o prazer de usufruir dele... E que venha os próximos.

    ResponderExcluir
  11. Amei a resenha e amo o livro, parabéns!

    ResponderExcluir


Algumas regrinhas:

. Terminantemente proibido qualquer manifestação preconceituosa, racista, homofóbica e etc.. Respeito em primeiro lugar sempre.
. É claro que se você me seguir, eu vou lhe seguir, só dizer que seguiu no comentário e colocar seu link (não só segui me segue de volta, ok?)

Obrigada por comentar... a sua presença é muito importante para nós.

Volte sempre ^^

Clubenetes.