Postagem em destaque

[Promoção Mães Leitoras] com Rô Mierling e blogs parceiros (serão 7 ganhadores!)

Olá queridos leitores! Em comemoração ao Dias das Mães , a escritora Rô Mierling e blogs parceiros se reuniram para presentea...

[resenha Internacional] Sobrevivi para Contar - O poder da fé me salvou de um massacre - Immaculée Ilibagiza

Olá, gente querida!
Hoje, trago para vocês a resenha do livro “Sobrevivi para Contar - O poder da fé me salvou de um massacre”, de Immaculée Ilibagiza. Neste livro, rebuscando suas memórias, Immaculée, a mulher que sobreviveu ao estarrecedor genocídio ocorrido em 1994, em Ruanda (que vitimou mais de 800 mil pessoas num massacre que chocou a África e o mundo), faz um relato impactante sobre como ela e mais sete mulheres sobreviveram durante três meses escondidas em um minúsculo banheiro para escaparem da morte. É um relato de vida real, no qual o leitor se depara com os sentimentos mais cruéis e impiedosos que o ser humano impõe ao seu semelhante em prol da intolerância, do poder e da ganância. Este é o tipo de leitura que a gente gostaria que os fatos narrados não fossem reais, fossem fantasias, ficções, que nunca tivessem ocorrido. Entretanto, esse e outros genocídios aconteceram na história da humanidade e, mesmo chocando a quem lê, devem ser do entendimento e conhecimento de todos para, quem sabe, além de simplesmente constarem dos anais da história, nunca mais, por razão ou motivação alguma, tornem a acontecer. A religiosidade e o poder da fé inabalável de Immaculée também são pontos fortes da narração.

Sobrevivi para Contar - O poder da fé me salvou de um massacre
(Immaculée Ilibagiza)


Ano: 2008 / Páginas: 240
Idioma: Português 
Editora: Fontanar

Sinopse:
Esta é a história de uma mulher extraordinária, a jovem africana Immaculée Ilibagiza, que, aos 22 anos, sobreviveu ao massacre de seu povo. Confinada num banheiro durante três meses, junto com mais sete mulheres, ela lutou contra o medo e o desespero, ouvindo as vozes dos homens que queriam matá-la. Em 1994, Ruanda viveu um dos mais sangrentos genocídios da História. Conflitos étnicos ancestrais se transformaram num holocausto, em que mais de um milhão de ruandeses foram barbaramente assassinados. Da noite para o dia, a vida de Immaculée mudou de forma radical. Os jovens hútus, que antes eram seus vizinhos, colegas de turma e até amigos, se transformaram em caçadores, treinados para matar e torturar todos os tútsis que encontrassem pela frente. Como ela conseguiu escapar da morte é um mistério além de toda compreensão. Mas conseguiu: não só sobreviveu como não perdeu sua humanidade. Immaculée é a prova de que somos capazes de superar os traumas mais profundos por meio da fé e da espiritualidade. Seu relato de sofrimento, esperança e vitória é uma inspiração a todos.

A história de Immaculée me tocou tanto que após ler o livro dei uma pesquisada sobre o assunto e fiz um pequeno resumo para auxiliar o leitor que, assim como eu, tiver a curiosidade de saber a motivação de tanta iniquidade. Achei interessante colocar essas informações antes da resenha, para que ao apresentar a história, todos tenham algum conhecimento dos fatos. Bem, essa foi minha interpretação sobre o genocídio em Ruanda:
Ruanda, capital Kigali, é um país pequenininho localizado na região dos Grandes Lagos da África Centro-Oriental. A maioria dos ruandeses professa a religião católica e sua população em sua quase totalidade é constituída por três tribos: Hutus (maioria), Tutsis (minoria) e um número insignificante de Twa (pigmeus).
Apesar da grande maioria dos ruandeses ser hutus (cerca de 85%), por muito tempo, a minoria tutsi dominou o país, detendo as funções e cargos mais importantes e privilegiados, enquanto que aos hutus cabiam cargos e funções menos relevantes e os trabalhos braçais. Essa condição prevaleceu por muito tempo até os hutus se revoltarem, se organizarem e em 1959 derrubarem a monarquia tutsi. Milhares de tutsis fugiram para países vizinhos incluindo a Uganda. Um grupo de exilados tutsis formou a Frente Patriótica Ruandesa (RPF) que invadiu Ruanda em 1990.
Em 1993 foi assinado um acordo de paz e, logo após o acordo que parecia por fim aos conflitos tribais, em seis de abril de 1994, o avião que transportava dois líderes hutus, o presidente de Ruanda (Juvenal Habyarimana) e o presidente do Burundi (Cyprien Ntaryamira), foi derrubado matando os dois líderes. Os hutus culparam a RPF pelas mortes (há quem diga que foram os próprios hutus que derrubaram o avião para justificar a chacina) e imediatamente deram início ao sangrento e cruel genocídio que durou cem dias, vitimando mais de 800 mil tutsis (o número de mortos varia de acordo com as fontes: umas dão conta de 500 mil mortos, outras, contabilizam mais de um milhão).
A maioria dos estudiosos afirma que a colonização Belga foi fator determinante do genocídio, entretanto, há correntes que afirmam que a colonização Belga não foi a principal causa, mas um dos fatores determinantes, pois a posição social que hutus e tutsis possuíam já fazia parte da tradição ruandesa. Com a chegada dos belgas essa tradição foi sendo erradicada quando os belgas passaram a “classificar” os ruandeses, através de características (detalhes) físicas em hutus e tutsis e registraram em seus cartões de identidade sua posição social (se eram hutus ou tutsis), acirrando a rivalidade já existente. O catolicismo também contribuiu com o genocídio, pois de acordo com os estudiosos, a alta cúpula da igreja católica ruandesa estava vinculada ao poder do Estado e foram os principais bispos e alguns padres de Ruanda que autorizaram a matança dentro das igrejas (locais que deveriam manter em segurança as pessoas que ali procurassem ajuda).
Um conflito étnico entre duas aldeias “irmãs” em busca de poder, deu início a um sangrento e cruel massacre local. Eles invadiram casa torturando até a morte. Vizinhos mataram vizinhos, maridos hutus mataram suas esposas tutsis. Mulheres tutsis foram barbarizadas, estupradas e mortas. Muitas delas foram levadas pelos hutus e mantidas como escravas sexuais. Crianças eram trucidadas na frente dos pais e mulheres grávidas tinham o ventre dilacerado e seus bebês arrancados e mortos na frente de todos. A ONU e a Bélgica tinham forças de segurança em Ruanda, mas são acusadas de não fazerem nada para pararem a matança. Os franceses enviaram militares para criar uma zona de segurança, mas, também, são acusados de serem aliados aos hutus e de não fazerem nada para deter os assassinatos. Enfim, uma combinação de ganância, ódio, preconceito, vingança e omissões dizimaram barbaramente cerca de 75% da população tutsi. Foi um período feio, bárbaro, impiedoso e desumano da história mundial.
Sobre a autora:


Immaculée Ilibagiza é uma escritora e palestrante ruandesa, mais conhecida por seu livro autobiográfico "Left to Tell: Discovering God Amidst the Rwandan Holocaust" ("Sobrevivi para Contar - O Poder da Fé me Salvou de um Massacre", edição em português). Estudou eletrônica e engenharia mecânica na Universidade Nacional. Perdeu a maior parte de sua família durante o genocídio de 1994. Quatro anos mais tarde, emigrou de Ruanda para os Estados Unidos e foi trabalhar na Organização das Nações Unidas, na cidade de Nova York. Dedica-se neste momento à Fundação Ilibagiza, que se destina a ajudar outros sobreviventes a se recuperarem dos efeitos a longo prazo do genocídio e da guerra. Immaculée reside em Long Island, com o marido Bryan Black e os filhos de ambos, Nikeisha e Bryan Jr.

Resenha
No livro “Sobrevivi para Contar - O poder da fé me salvou de um massacre, a autora, Immaculée Ilibagiza, relata de maneira clara, objetiva e muito emocionante a história de sua vida, mais precisamente, de como sobreviveu ao cruel genocídio ocorrido em Ruanda, no ano de 1994. A autora deixa claro que o livro não tem a pretensão de contar a história de Ruanda ou do genocídio, mas, sim, a história de sua vida, e de como ela sobreviveu ao genocídio. Entretanto, ao relatar tão minuciosamente suas impressões e toda perseguição, perdas, angústias e dor pelas quais passou, ela acaba dando ao leitor informações valiosas sobre as motivações e a forma como os tutsis foram dizimados, tornando-o conhecedor de toda a tragédia e horror que não só ela, mas que todos os tutsis passaram. É um relato ao mesmo tempo chocante, pela crueldade dos atos e fatos, e comovente, pela experiência que a autora teve com o poder de sua fé em Deus.
Em primeira pessoa do singular, Immaculée conta todo horror pelo qual passou durante os cem dias que durou o conflito. Immaculée começa a narração se apresentando e apresentando seu país a todos os leitores. Nesta parte a autora retroage no tempo para que o leitor possa tomar conhecimento de como ela e sua família pensavam e viviam antes do terrível conflito. Seus pais (Leonard e Rose) eram professores e acreditavam que a educação era a única arma contra a pobreza e a fome e, por isso, investiram na educação de seus quatro filhos, três meninos (Damascene, Vianney (mortos) e Aimable, e uma menina (Immaculée).

Immaculée e sua família eram católicos fervorosos, amavam-se e eram muito unidos. Seus pais eram respeitados e queridos pela vizinhança. Immaculée sempre foi muito estudiosa e, apesar de em seu país as meninas não serem incentivadas a estudar, pois o casamento era o máximo que uma mulher poderia almejar, seus pais sempre fizeram de tudo para que ela, através dos estudos, tivesse sua independência intelectual e financeira. Com o incentivo e apoio da família Immaculée ingressou na Universidade. Ela sabia que havia desavenças entre tutsis e hutus, mas não imaginava que essa rivalidade culminaria com o acontecimento que devastaria seu povo.
“Em nossa casa, racismo e preconceito eram totalmente desconhecidos. Eu não tinha consciência de que as pessoas pertenciam a tribos e raças diferentes e, até entrar para a escola, jamais havia escutado palavras como tútsi ou hútu... eu era uma menininha muito feliz, em uma família feliz, habitante do que me parecia ser uma aldeia feliz, onde as pessoas se respeitavam e eram amigas umas das outras.”

”Meus pais eram professores, pais extremosos e muito respeitados na aldeia. Éramos quatro filhos e só eu de menina, os amávamos muito e éramos muito próximos até o último minuto antes de nossa separação. Lembro-me que nossos vizinhos eram com pais para nós. Sabíamos que tinham problemas entre os Hutus e os Tutsis, porém, nunca imaginamos que o ódio imperaria.”


A história prossegue e Immaculée continua seu relato repassando ao leitor todos os sentimentos que a invadiram durante os três meses que ela e mais sete mulheres passaram escondidas em um minúsculo banheiro, amontoadas, amedrontadas, em silêncio absoluto, comendo restos da casa (quando era possível). Tinham seus ciclos menstruais sem as mínimas condições de higiene, sem direito a tomarem um banho sequer, num banheiro que tinha como área de ventilação apenas uma pequena janela basculante, à altura do teto, coberta por um pedaço de pano vermelho. Immaculée conta que a única coisa que podia fazer era rezar doze, treze e até mais horas por dia. Por vezes, quando o pastor conseguia ir até elas, contava-lhes sobre as atrocidades que estavam acontecendo lá fora, o que as deixavam cada vez mais aterrorizadas, vivendo numa constante tortura física e mental. 
“Não sou capaz de dizer quanto medo você sente quando sabe que eles podem nos pegar a qualquer momento. Eles tinham facões. Eles tinham lanças.”
 Por favor, Deus, deixe cegos os assassinos quando chegarem ao quarto do pastor — não permita que descubram a porta do banheiro, não permita que eles nos vejam. Você salvou Daniel da cova dos leões, impediu que eles o fizessem em pedaços... não permita que esses homens nos façam em pedaços também. Deus, proteja-nos como protegeu Daniel.”
“Eu sabia que existiam problemas entre as duas tribos. Mas nunca imaginei... simplesmente aconteceu. Sem motivo algum. Ficamos naquele banheiro por três meses. Eles nunca nos encontraram.”


Immaculée sentia que perdera todos aqueles a quem amava e por quem tinha grande apreço e carinho, pois seus parentes e amigos ou estavam mortos ou se transformaram em caçadores cruéis de tutsis. Perdeu pais, irmãos (só um sobreviveu por encontrar-se longe do local do conflito), amigos, vizinhos, colegas, o namorado John (de etnia hutu), com o qual havia namorado firme por dois anos e já haviam vislumbrado casamento. Para termos ideia das privações pelas quais ela e suas companheiras de confinamento passaram, relatou que quando entrou naquele banheiro, pesava 52kgs e, ao sair, estava pesando em torno de 29kgs. Immaculée prossegue seu relato narrando as situações difíceis e desafiadoras pelas quais passou após sair do banheiro, a pouca ou nula atuação da ONU para estagnar o conflito e a pouca eficácia das tropas francesas e dos belgas para deter os assassinos. Em todos esses momentos e situações, a autora professou sua crença, sua fé em Deus.
Aquela estrada me havia levado a todos os lugares que eu amava. A estrada atravessou minha vida, mas essa vida já não existia. Era agora um caminho percorrido por assassinos e estupradores. Uma tristeza profunda tomou conta de mim à medida que me dava conta de que, acontecesse o que acontecesse, minha vida jamais voltaria a ser a mesma. Fechei os olhos e disse a Deus que cabia-Lhe encontrar o novo caminho que eu deveria seguir.”


Sobrevivi para Contar - O poder da fé me salvou de um massacre é um livro no qual o leitor enxerga sob os olhos e sentimentos da autora a matança impiedosa de seu povo, além de deixar bem claro aos leitores que sua sobrevivência ocorreu única e exclusivamente pela fé incondicional e inabalável em Deus, que a amparou e a livrou de morte tão cruel.  É um relato de todo o horror que o holocausto impôs ao seu povo e da infeliz constatação de o quanto o ser humano pode ser cruel e impiedoso com seus semelhantes.


Minha opinião sobre a obra

Bem, queridos leitores, li “Sobrevivi para Contar - O poder da fé me salvou de um massacre” muito rapidamente. Este é o tipo do livro que, apesar de conter um enredo forte, impele o leitor a prosseguir ininterruptamente com a leitura. Gera angústia e ao mesmo tempo expectativa de se conhecer detalhes da impressionante trajetória de fé, resistência e vitória de Immaculée Ilibagiza. O único ponto que me incomodou na narrativa da autora foi o fato de ela atribuir a forças malignas toda essa carnificina, pois acho uma maneira muito simplista de tentar justificar os atos bárbaros cometidos por seres (ditos) humanos. Não há de se desconsiderar que não foram atrocidades cometidas ao acaso, sem planejamento e/ou motivação. Através do próprio relato de Immaculée e de pesquisas, tomei conhecimento das principais causas que deflagraram tal barbárie. A grande maioria dos hutus, incluindo religiosos, decidiu pelo genocídio, mas teve também hutus, como o pastor que arriscou sua vida e a de sua família escondendo-as no banheiro, que optaram por tentar poupar, salvar vidas. Então, de acordo com a natureza de cada um, escolhas foram feitas e cada um deve ser responsável e responsabilizado por atos (bons ou ruins) que praticou em razão de sua escolha.
 Sobrevivi para Contar - O poder da fé me salvou de um massacre relata os sentimentos mais vis e também os sentimentos mais nobres e virtuosos que o ser humano pode expressar. Através de um relato dramático e comovente, ficamos sabendo através do ponto de vista de Immaculée Ilibagiza, uma sobrevivente ao genocídio ocorrido em Ruanda, que o extermínio impiedoso de cerca de 75% dos ruandeses tutsis foi fruto da intransigência, da intolerância, da ganância pelo poder e da falta de misericórdia do homem com seu próximo. Ele não só contém a história das agruras pelas quais Immaculée passou durante três meses escondida em um pequeno banheiro com outras sete mulheres para escapar da morte, como também é uma confissão categórica de religiosidade e fé em Deus, fé essa que, particularmente acho, que aliada a sua determinação em não se deixar matar de forma tão bárbara, tornou-a vitoriosa. Aos agnósticos, digo que a intenção da resenha não é fazê-los crer em Deus, mas, sim, expor o sentimento da autora de que uma força superior lhe amparou e a ajudou a suportar todas as penúrias impostas pelos algozes do seu povo. Essa força ela (e eu) chama de Deus. Cada um denomine-a como quiser, de acordo com suas convicções e crenças. 
“Eu nunca me rendi à morte, de alguma forma senti que deveria viver. E eu supliquei a Deus: Deus, se você estiver aí, expulse daqui os assassinos, por favor, antes que eles nos encontre.”

Os assassinos não “enxergaram” Immaculée. Ela sobreviveu graças a sua fé incondicional e inabalável em Deus. Atualmente, ministra palestras em todo mundo sobre os horrores provocados pelo holocausto que exterminou quase a totalidade de seus irmãos étnicos e deixou sequelas irreparáveis e inesquecíveis nos que a ele sobreviveu.
Que relato impressionante, dramático e comovente!
Li, gostei demais e recomendo!


Suas impressões e comentários sobre a obra e a resenha são sempre muito bem-vindos.

Beijos e até a próxima.


Créditos
Resenha: Vanda Costa
Diagramação: Vanda Costa
Fotos e imagens: Tiradas da Internet
Dados sobre a autora: Tirados da Internet 

[ColaborAutoras] Dica de Série!!!

Olá Gente linda.

Hoje temos Dica de Série!!!

Eu sou a Ingrid, ColaborAutora fofa do Clube do Livro 



The Night Shift




Sinopse

A série segue uma equipe de médicos que trabalham no horário noturno do pronto socorro (de meia-noite às 8h) no San Antonio Medical Center, um hospital do Texas.

Além de focar no dia a dia do profissional de saúde, a série mostra a batalha constante que eles vivem entre salvar vidas e manter a política de gerenciar um hospital urbano.
Trailer

Ingrid M. SNascida em 03 de outubro de 1993, é formada em Design de Moda, mora com o marido em uma cidade pequena e muito pacata no interior de Santa Catarina. Ama escrever desde criança, mas somente em 2014, resolveu publicar algo através do Wattpad.


É sonhadora, criativa, detalhista e muito teimosa, uma viciada em livros e chocolate, simplesmente apaixonada por dias frios e chuvosos. Gosta muito de 
desenhar, assistir comédias românticas e seriados. 



CONTATO: FACEBOOK -  GRUPO NO FACEBOOK - SKOOB - WATTPAD  - AMAZON

Gostou dessa postagem??? Quer mais??? Que tal me enviar dicas superlegais sobre seus autores (a) favoritos, livros, séries, filmes, músicas, livros, entre outros assuntos? Deixem suas sugestões nos comentários...

Beijinhos Ingrid











[Resenha] Será que é você? - Malu Simões /Editora Arwen


Olá Clubenautas, tudo bem? A resenha hoje está mais do que especial. Pensem em um livro maravilhoso: Será que é você?
Não, não você. O livro...rsrsr
O livro é que é maravilhoso! Vocês também são, mas vocês não são livros (rsrs) e eu estou falando do livro de estreia da autora Malu Simões, o romance "Será que é você?" que está em pré-venda pela Editora Arwen, neste ano (2017).

E como eu também não tenho muito talento para comediante (devo estar ainda envolvida com a trama bem-humorada do livro), vou logo apresentar esta autora linda e querida para vocês.

 Malu Simões.
Sobre a autora:

Biografia: Megaromântica confessa, como diria a protagonista de seu primeiro livro, Malu Simões decidiu que queria se tornar autora do tipo de literatura de que mais gosta de ler: romances para mulheres. Filha de professora e leitora assídua desde a infância, Malu teve o insight de se tornar escritora quando aguardava um voo no aeroporto de Congonhas em São Paulo, quando, numa livraria se deparou com uma história cativante de uma autora brasileira.
Formada em administração de empresas e pós-graduada em recursos humanos, Malu Simões é servidora pública na Prefeitura de Angra dos Reis. Nascida em Vitória, no Espírito Santo, ela mora há dezoito anos em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro, desde que se casou com Walber, um engenheiro capixaba que trabalha na Usina Nuclear de Angra, e com quem tem uma filha de 15 anos, Juliana.

SKOOB DA AUTORA - FANPAGE




Sinopse:

Mia Kylie é uma jovem de 26 anos, bonita, alto-astral, irreverente e está ganhando fama e notoriedade em seu trabalho como estilista. Ela retorna da Europa, onde passou alguns anos estudando e logo se torna uma das profissionais da moda mais requisitadas de Vitória/ ES. Porém, a mudança traz consigo algumas surpresas. Mia conhece novas pessoas em busca de descobrir o grande amor, mas o reencontro com seu ex-namorado acaba abalando-a de forma irremediável. Assim, ela precisará abrir mão do orgulho para descobrir se ele é o cara que a fará ver explodir “fogos de artifícios”. No entanto, como nada é tão fácil, Mia vai se deparar com alguns empecilhos que a fará mudar o seu curso. Em meio a paixões passageiras e descompromissadas, ela só tem uma dúvida: Será que é você?

[ColaborAutoras] Apaixonada por Chesapeake Shores ❤

Olá Gente linda.

Hoje temos Dica de Série Netflix!!!

Eu sou a Ingrid, ColaborAutora fofa do Clube do Livro 


Chesapeake Shores


Sinopse

Abby O'Brien Winters retorna à Chesapeake Shores quando recebe um telefonema apavorado de sua irmã Jess, que renovou a encantadora pousada em Eagle Point. A cidade Maryland, que seu pai construiu, tem muitas lembranças tristes e Abby, graças à sua carreira exigente, divórcio e filhas gêmeas pequenas, não teve tempo de sobra para ajudar. Salvando o negócio da família, significa lidar não só com a sua família fraturada, mas também com Trace Riley, o homem que ela deixou há dez anos. Trace inicialmente coloca um obstáculo, mas torna-se um aliado inesperado e uma segunda chance de encontrar o amor. Baseado na série de livros de Sherryl Woods.

[ColaborAutoras] Resenha Nacional: Coroa de Ferro e Trono de Espinhos - Alana Gabriela!!!

Olá Gente linda.

Hoje temos Resenha Nacional de Coroa de Ferro e Trono de Espinhos, da nossa autora parceira 
Alana Gabriela!!!

Eu sou a Ingrid, ColaborAutora fofa do Clube do Livro 


Coroa de Ferro e Trono de Espinhos

Ano: 2017 / Páginas: 428
Idioma: português
Editora: Amazon


Sinopse

Em Coroa de Ferro e Trono de Espinhos, a A Bela e a Fera, Édipo Rei e Aquiles se encontram num universo repleto de ação, segredos, mistérios e romance.
Na corte de Portlaiose o vento sibila impiedoso, as sombras dançam nas paredes do castelo e a hierarquia invisível sobrevive como cinzas na neve...
O rei Marteen de Portlaiose está morto e seu filho mais velho e o herdeiro direto, Joachim, subiu ao trono. Com o alvoroço das guerras nas fronteiras o pulso firme do jovem rei é o que tem sustentado o reino em suas constantes batalhas para proteger o território de invasores. Em meio ao caos e a busca para encontrar aliados, o irmão mais novo do rei, Gillean, acaba sendo morto. Uma caçada para encontrar o culpado se inicia. Tudo que Joachim pode fazer é ir atrás daquela que matou seu irmão para aplacar o mais temível de seus sentimentos e salvar o império da destruição.
Ele precisa encontrar Ceridwen Hill, a dama da legião!

Amazon

Skoob
Alana Gabriela



Biografia

Alana Gabriela, 20 anos, tem o maior sorriso já visto ever. Sergipana, estudante de Letras Português-Inglês na UFS, escreve, compõe, assiste muitas séries, tipo: The Blacklist, The Walking Dead e Grimm. Escuta muita música, mas tenho preferência por Hard Rock, R&B, Jazz, Indie e Soul. E ama olhar para o céu em dias de chuva.